terça-feira, 29 de setembro de 2009

Educação também se aprende na escola

Ultimamente tem aparecido bastante na mídia, assuntos referentes a educação de alunos seja em suas escolas, seja na sociedade em geral. O mais comentado por aqui ultimamente, fala sobre uma professora que resolveu dar o exemplo, e punir um aluno que inicialmente não quis participar de um mutirão escolar (pintura da escola), no dia seguinte pichou seu apelido na parede da sala, mentiu quando questionado a respeito e ainda acusou outra pessoa de ter feito a sujeira.

Talvez na opinião de muitos, isso tudo seja pouco. Ao menos é assim que pensam os pais do menino, que estão buscando recursos jurídicos para garantir uma indenização por dano moral, alegando que seu filho foi exposto à opinião pública, envergonhado na frente dos colegas. Fato este que muito me admira, pois em um país onde as pessoas gritam fora sarney, acham errado propinas e falcatruas mil que nos acostumamos a ver e ouvir, esquecem que este é apenas o primeiro passo. É assim que começa o mundo da mentira, da impunidade, da lei da vantagem. Quando eu era menino, escutava histórias do meu pai, contando que na escola quando ele era menino, professores tinham total autonomia sobre os alunos, podendo inclusive bater nos alunos, colocar de castigo, chapéu de burro, copiar mil vezes no quadro aquela famosa frase "eu não devo pichar a sala" ou qualquer outra atitude que aqui se aplique.

Queria além de parabenizar a atitude dessa professora, que abriu mão de tudo, até correndo o risco de perder o emprego, para dar o exemplo e elevar seus conceitos sobre o correto, sobre seus valores, lembrar que foram os próprios educadores e estudiosos do assunto, que levantaram as bandeiras de que a rigidez devia cair, que os alunos modernos eram mais responsáveis, tinham mais acesso a informação, criou-se o ECA (nunca vi nome melhor) que poderia se chamar também Escola do Crime e Aprendizagem, pois NADA se pode fazer contra menores, mesmo que sejam bandidos.

Ontem, escutando na tv um daqueles programas policiais diários, apareceu mais um exemplo, de um professor que pediu para um aluno desligar um mp4, e que fora surpreendido com perguntas do tipo, quem vai me obrigar a desligar, quem vc pensa que é, etc... e o professor respondeu dizendo que era o professor, o responsável pela aula, foi agredido com socos, chutes, palavras e muita raiva, que claro fica acobertada pelo ECA. Os pais do aluno, nada quiseram comentar e alegam a pressão que os jovens sofrem, por terem que optar por carreiras muito cedo, ENEM, etc... Agora além do freguês, o aluno sempre tem razão. Ainda mais se for menor de idade, e tiver pais alienados a sua formação, tipo aquele ZECA (acho que foi em homenagem ao ECA) da novela.

E depois eu que sou saraiva.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Data farroupilha

Hino Riograndense

Como aurora precursora ,
Do farol da divindade
Foi o vinte de setembro
O precursor da liberdade


Refrão
Mostremos valor constância
Nesta ímpia injusta guerra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda terra
De modelo a toda terra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda terra


Mas não basta pra ser livre
Ser forte, aguerrido e bravo
Povo que não tem virtude
Acaba por ser escravo
Refrão


Nesta semana saiu na Zero Hora, uma entrevista feita com um cidadão paulista, que vive no interior do RS, e que demonstra toda sua indignação com nossas tradições e costumes. Não é a primeira nem vai ser a ultima vez que isso vai acontecer. Claro que sempre em comparacao com seu estado de origem, mas não me cabe dizer o que pode ser melhor para cada um. Para nós gaúchos, que temos orgulho das nossas tradições, origens, história e personalidades, e mais uma oportunidade que temos de renovar nossos hábitos, reverenciar nossos heróis farroupilhas e eternizar nossa tradição perante nossos descendentes.


E cultivando nossas tradições com nossos filhos que eternizaremos cada vez mais nossa
bandeira, a mesma verde amarela do Brasil, com o vermelho do sangue dos farrapos, circulando ao redor do mundo, nos CTG's que existem em todas as partes do mundo, com nossa vestimenta, nosso chimarrão, nas churrascarias, americanas, chinesas, italianas, australianas, representando nossa comida típica, nos estádios, com nossos jogadores sempre importantes em conquistas internacionais, nas passarelas, com nossas melhores prendas. Tradições estas que ja emocionaram Presidentes, Governadores, times de outros estados em solenidades ou jogos aqui realizados, nunca entenderam o balbuciar de algumas palavras no hino nacional, e um coral uníssono cantando o hino riograndense.

Seria eu, gaúcho um bairrista? Claro que não. Bairrista é quem acha que é ou vem de um lugar melhor ou mais importante que o meu, mesmo sem ter na ponta da língua um hino, sem ver sua bandeira hasteada por qualquer pago, sem achar um bolicho para comer sua comida típica, sem ter uma ligação com os seus antepassados, sem ter uma façanha, pra servir de modelo a toda terra.















E depois eu que sou saraiva.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Liberação da bebida

Eis que um juiz da 2ª Vara de Fazenda Pública de Goiás, Ari Ferreira de Queiroz, concedeu ontem liminar que libera a venda e o consumo de bebidas alcoólicas no estádio Serra Dourada. Já não era sem tempo, não que eu esteja incentivando o consumo ou fazendo apologia ao uso do álcool, mas era uma lei ridícula. Ridícula porque nunca foi a bebida o motivo ou culpa de alguma coisa, principalmente porque os eventos atribuídos ou ocasionados supostamente pelo uso da bebida continuaram acontecendo.

Eu mesmo, já havia entrado em polêmicas tanto em jornais quanto programas esportivos de rádio, manifestando minha opinião de que a bebida não era a culpada. Sempre fui criticado, mas entendo que opinião é livre, e ao menos deve ser respeitada, e claro, o fato de eu pensar assim, não significa que eu esteja correto. Da mesma forma que sempre fui contra a lei seca, que proibe as pessoas de bem ou de boa índole como sempre digo, de tomarem seu cálice de vinho ou sua lata de cerveja no almoço, ao sair da academia, do futebolzinho com os amigos.

Eu entendo que as pessoas que geralmente se metem em confusão independem da bebida ou da droga. Defendo que tais pessoas tenham má indole, e que saem de casa com intenção de se meter em confusões, seja no estádio, no trânsito, ou em qualquer lugar. Sem falar que a bebida era disponível nos arredores dos estádios e ninguém era impedido de entrar no estádio, mesmo aparentando embriaguez. Eu já consumi bebidas em jantares, churrascos, atividades esportivas, etc... e sempre que volto pra casa, nunca esqueci que o sinal vermelho era para parar, e tampouco a bebida me fez esquecer. Continuo lembrando as palavras que agridem ou que ofendem, sei onde moro, e principalmente, continuo sempre lembrando e sabendo, o que é certo e o que é errado, ou o que é permitido e o que é proibido. No entanto entrar no estádio com maconha talvez fosse proibido, mas não era fiscalizado. Da mesma forma no trânsito, vc não pode beber e dirigir, mas pode fumar, cheirar, injetar ou consumir por alguma outra via diferente das citadas, pois não existe a fiscalização ou a comprovação do uso.

Estou fazendo essas comparações apenas porque muitas das vezes, essas proibições se dão por suporte de psicólogos, policiais ou jornalistas que defendem a inocência dos vândalos ou transgressores sob a alegação de que a pessoa estava aparentemente sob o efeito de álcool ou drogas. Aproveitando, faria também um comparativo. Se te pegam dirigindo após consumir álcool, se paga multa de mil reais, vai para a delegacia. Se te pegam com drogas no estádio, vc é levado ao juizado especial do estádio e é condenado a pagar uma cesta básica ou prestar algum serviço, mas a pena mais comum que eu tenho notícia é ser impedido de ir ao estádio por um número determinado de jogos, tendo que ir a uma delegacia no horário do jogo assinar um termo. E álcool se compra no super, e droga? Álcool é lícito, e droga?

Eu defendo o aumento do valor dos ingressos nos estádios. E defendo minha teoria de que a bebida não é a culpada pelo simples fato de que em copa do mundo, tem bebida, em mundial interclubes, tem bebida, em fórmula 1, tem bebida. Casualmente, o valor dos ingressos é bem mais elevado... Inclusive em copa do mundo ou mundial interclubes, se pode ver torcedores rivais, sentados um ao lado do outro, sem grades, sem agressões.

A decisão de suspender a venda de bebidas integra um protocolo de intenções assinado com o Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União. Mesmo com a proibição nos jogos promovidos pela CBF, o COL (Comitê Organizador Local) da Copa-2014, já avisou às cidades-sedes que terão de fazer leis para liberar a venda de álcool nos estádios do Mundial. A mudança de atitude é explicada por um contrato da cervejaria Budweiser com a Fifa que se estende até 2014 (Folha de São Paulo).

E depois eu que sou saraiva.

sábado, 12 de setembro de 2009

Mais uma vez

Que difícil que é assistir televisão ou ler jornal hoje em dia... Quando não está com metade das folhas apenas com propagandas, o resto não se aproveita nada. Eu sempre fico me perguntando, afinal de que lado eles estão, visto que existem várias reportagens onde parece que eles estão agindo contra nós, e eles mesmos.

Pois bem, que hoje vejo a triste notícia que soltaram mais de 200 presos (judicialmente), sob a alegação de que não existe estrutura para o abrigo desses apenados. Já tive oportunidade de escrever sobre isso, e talvez por isso o nome desse post seja mais uma vez... (sugestivo... isso quase nunca acontece...) O argumento foi de que isso era um "aviso"que o judiciário estava dando ao governo, que segundo a reportagem faz mais de 10 anos não investe nada em construção ou reforma de presídios. Mas, porém, contudo, todavia, entretanto.... não me parece que esses apenados causem ou tragam algum mal ao governo, ou ao seus membros, visto que eles sempre estão bem protegidos, por seguranças ou pela brigada. Nunca soube de um preso que tenha fugido (ou que tenha sido solto) e que tenha ido ao Piratini, a Assembléia, a Prefeitura fazer mal para algum governante, mas já conosco contribuintes.... volta e meia tem gente sendo assaltada, morta, estuprada, sequestrada, e o judiciário querendo dar recado.

Na mesma linha, ou até mesmo no mesmo programa, vi uma matéria que falava de pessoas que roubavam lojas de eletrodomésticos, furtavam celulares que a polícia imagina estarem sendo encaminhados aos presídios. Claro que as antenas bloqueadoras de sinal só vão entrar em funcionamento em 2049, talvez quando já existir comunicação telepática e viagem no tempo. Como se diz, só se rouba carro porque tem alguém que compra, logo, se manda celular pra presídio porque dá pra usar!!!!!

E para finalizar, continuo sem entender qual é a da imprensa, que insiste em punir ou em colocar a polícia contra a opinião pública, como estão fazendo no caso do sem terra que infelizmente faleceu aqui no RS. Caspita, desordem tá liberado, invasão tá podendo, roubar, sequestrar, extorquir, depredar, matar na frente do teatro, assaltar lotação, lotérica, tudo pode. A polícia reprender, acabar com a arruaça, daí não póóóóóde. Se a polícia dá um tiro, é abuso, querem saber de que arma saiu, quem foi que mandou, tem que afastar o coronel. Inversão de valores total. Saudade do meu porte de arma....

E depois eu que sou saraiva.

(vejam o videozinho que eu recebi. dizem que é da venezuela, bem que podia ser aqui, já que arma só bandido pode usar)


video